quinta-feira, outubro 27, 2005


Nesse relógio que marca sempre a mesma hora, nesse álbum que abre sempre na mesma imagem, nesse quarto que murmura sempre o mesmo segredo, nessa dor que incomoda sempre no mesmo lugar, nesse pedaço de medo que assombra sempre o mesmo sonho, eu insisto - você ainda está aqui, você ainda importa, você ainda acende a luz do meu amanhecer feito de silêncio. És a perda e o vazio que me ocupa, a fronteira que me falta e a promessa que não fiz, o meu último instante de humildade e a minha queda acometida de deus [a demência, a demência tomou posse de mim]

4 comentários:

Celso disse...

Uma saudade, um desejo exacerbado, uma paixão hiperbólica, em um texto de ura poesia horizontal. Dos mais belos que eu li teus, Douglas. E a demência invade todos nós.

Saudações do Cárcere

Alê disse...

Eu quero estar lúcida...mas sei q não é possível...
Bjo, moço...

Valéria disse...

minha nossa! isso somos nós enquanto não somos...um beijo

Claudio Eugenio Luz disse...

Ainda somos importante para alguém, mesmo que essa pessoa não saiba da nossa existência.

..
hábraços