terça-feira, fevereiro 28, 2017

aonde repousas
se o céu ficou preso aos pesadelos de infância
e sob meus pés encontro apenas
silêncio ruína e dor

as estações transfiguradas em lugar algum
tenho medo do adeus que não pude dizer-te
tenho medo daquilo que não sei
tenho medo

e sem tuas mãos por velar meu partir
sob as pálpebras repousará  sequer um sonho
que não o do menino aninhado em teu colo
escutando antigas canções de ninar 

sexta-feira, janeiro 20, 2017

peco em mim

naquilo que não estás


porque nua, porque puta


porque amiga


porque irmã


terça-feira, janeiro 17, 2017

esqueces meu nome meu rosto teus amanhãs

já não sabes de nós, preso ao que resta de cada poente


[vês uma foto. me carregavas no colo. o que dizem teus olhos?]


envelheces e é só teu o silêncio


que nos traz de volta a esse lugar.

segunda-feira, novembro 30, 2015




do alvorecer retorno

agora sabedor dos tempos idos

não mais o silêncio d’outrora



sou homem menos que sombras

sou vestígio menos que arremedo

sou horizonte menos que precipício  

sexta-feira, novembro 20, 2015

ao vitor ângelo,
in memoriam


há memórias, amigo
mas elas escapam entre meus dedos
como se não houvesse mais destino,
frágeis linhas a seguir


sinto a ausência de ti, amigo
e já não me bastam paisagens amarelecidas
porque hoje o fio do tempo ecoa vazio
lembrando teu sorriso, não mais

segunda-feira, junho 29, 2015




em minhas órbitas, um resto de medo 
enervado feito pássaro
esgueira-se do amanhecer


em silêncio, o ajuste das formas 
a limpidez das cores nulas
abreviam-me a lucidez 

[enfermo, sou eu o homem que sorri]



  

domingo, junho 07, 2015


abandona hábitos
[e declina]
sobre a imagem da mãe, ainda jovem
extirpa o silêncio

[deus e a misericórdia dos tempos idos

afeiçoam-lhe mais que assombram]

arremedo ou síncope
é de si 
o único lugar que resta
nesse longo caminho de volta