segunda-feira, julho 03, 2006


pro celso, do cárcere - tuas palavras despertaram essas imagens
pra menina que amanhece meus girassóis - teu amor me faz feliz
antes
havia o medo de amar
menina dos olhos descalços-de-vento
& tudo era desmedido
como quem não sabe esperar
PELO INSTANTE
[mas há pressa demais no futuro
e aquilo que ficou para trás não sabe caminhar]

antes
eu não sabia teu cheiro
menina da pele branca-de-nuvem
& tudo decrescia
como quem recorta a felicidade
TODOS OS DIAS
[mas já há dor demais nessa vida
e o que escapa ao poente a noite devora]

hoje
fere-me o sol pálido
menina dos pés rabisco-de-aurora-andaluz
& tudo respira arremedos
alimentados pelo mar cansado de fúria
PORQUE NÃO ESTÁS AQUI
[mas sempre foi amor o que me assustava
e solidão aquilo que eu tão bem conhecia]

7 comentários:

marianna disse...

belo, sempre!
eu amo você!

Anônimo disse...

Aplausos!!!

você com seu girassóis amanhecidos gravando e guardando imagens de outros jardins. Saudades da rosa que um dia fui, ou dos espinhos que aqui deixaste?

tb disse...

Belíssimo, Douglas querido, como sempre!

Vássia Silveira disse...

Douglas, o vomitando imagens é "muito, muito bom": deslizarei com vagar por aqui e encontrarei também seus outros escritos. Abraços.

Celso disse...

satisfeito por ter despertado com minhas escrevinhações este poema primoroso, meu amigo. que vc faça sempre o uso q quiser dos meus textos.

gde abraço

CeciLia disse...

ah, como esta menina deve estar honrada, feliz, deslizante de pés de aurora sobre teu texto!

Obrigada, poeta. Tua sensibilidade nos premia. Abraço.

Valéria disse...

maravilhoso!
e o amor que antes assustava agora inspira...poesia e vida.
um beijo