quinta-feira, janeiro 12, 2006


pro carlos besen,
num alvorecer
as andorinhas

são todas

m e r g u l h o

o céu não lhes basta

querem primaverar

os meus

s o n h o s
de menino

8 comentários:

topazio2004 disse...

...que será simplesmente voar...
um beijo na ponta das asas
teresa

Eliane Alcântara. disse...

Seguindo com os olhos o vôo de Fernando Rozano sinto um imenso céu para planar: suas letras! Beijo!

Dona Estultícia disse...

Em pleno vôo, um poema. Um beijo.

Valéria disse...

me deu uma grande vontade de escrever isso aqui, depois de ler essa poesias tão repleta de lirismo. Acho que isso somos nós: andorinhas voadoras, meninos e meninas cheios de sonhos, mutantes repletos de tristezas e de alegrias... mas era isso que eu queria deixar aqui:"...eles respiravam de antemão o ar que estava à frente, e ter esta sede era a própria água deles. ..."(Clarice Lispector)

Fernando Rozano disse...

A cada post, um mergulho profundo e mais rico ainda. Melhor, o Carlos merece a homenagem. Abraço.

Betty Branco Martins disse...

Querido Douglas

Tanto que contém o teu poema.

A porta está aberta
empurra-a
entra devagar
presta atenção
podes ver tudo
o que se passa dentro
do sonho...
não faças barulho
ele pode acordar
ao longe
consegues ouvir
um riso de criança
o sonho
deposita-o no teu coração para contigo
sempre viver...

Beijinhos

Celso disse...

excelente, Douglas.

saudações

lazuli disse...

Cheio de voo, o teu poema. Tão cheio de asas...