quinta-feira, setembro 29, 2005



Pela boca, setembro escapando de mim – as cores da primavera recolhem sobras do destino como se fossem velhas carpideiras sem lágrimas pra chorar. Há dor em demasia aqui, e as paredes do meu quarto já não conseguem isolar o que sinto do que inventei para sobreviver anulado [a infância descalcificada em meus ossos olha direto nos olhos da dormência e some] Meus instantes silentes são pequenos deslizes de humanidade dentro deste coração esvaziado por trinta e oito anos da mais absoluta frieza[as tormentas que obstruí, as alegrias que abortei, todas, cobram seu preço agora]

8 comentários:

Márcia disse...

o mesmo eu (quase)poderia dizer por aqui.
um beijo, Douglas.

Claudinha disse...

E o porvir... como será, já que até aqui, podou tanto de si??? pensar em alimentar sonhos, transforma-los em realidade, querer o impossivel e transforma-lo em real, tanto a se fazer, tanto a buscar, bóra???... beijos pra você.

Valéria disse...

a vida sempre cobra seu preço né? mas li hoje algo tão bacana: "Acho uma mesquinharia a vida exigir merecimento."...foi aqui:http://minicertezas.blogspot.com/... mas ela exige,,,mesquinha ou não, ela exige... um beijo

Cláudio B. Carlos (CC) disse...

Cedo ou tarde
a conta se apresenta.

CC.

Alê disse...

Pagamos caro, às vezes...
Muito lindo isso...

Bjo

Dona Estultícia disse...

E ás vezes, o preço é muito alto. Abs!

Fernando Palma disse...

Tente não abortar outras (alegrias). Só percebemos oportunidades quando elas passam

Bela imagem!

Abraços.

Clarice disse...

DouglasTua poesia é tão triste, como se alimentasse da dor e sem dor nada escreverias. Quase masoquista.
Já falei por aqui que escreves lindamente, hoje digo que te dóis demais.
Que direito tenho eu de pedir-te que brinques mais com a vida, que digas a dor que mereces recreio. Que quem partiu e fez teu abandono deve espiar-te muito triste, querendo que vejas a luz. Nem tudo são flores mas existem jardins mesmo que tenhamos que plantá-los!
A gente merece ser feliz mas temos que abrir as cortinas do quarto escuro para iluminá-lo.
Um abraço