sexta-feira, novembro 04, 2005


amanhã,
serei um sopro solto sob o sol
pedaço de mim mesmo misturado ao acaso
um olhar vadio
um terreno baldio
um sentimento calado

amanhã,
serei as asas da graúna dos contos infantis
cortina envelhecida nas falhas da memória
um resto de homem
um pouco de fome
um hematoma, e só

amanhã,
são meus os dias inglórios
as despedidas que não tive
os remorsos que não pude
as manhãs que invento
sóbrio de ti

11 comentários:

Valéria disse...

e há quem diga que devemos viver somente o hoje! como se o amanhâ a nós pertence? poema lindo Douglas...e de cortar a carne... beijo

Fernando Rozano disse...

Douglas, a cada post não mais uma surpresa, mas o encontro com o teu talento, com a tua sensibilidade. E o amanhã pede mais. abs.

marcia cardeal disse...

a poeira do amanhã detém-se no instante: ler você é imprescindível. beijo.

mariana disse...

Acho muito banal lhe dizer isso, mas foi o que senti: é lindo! Abraços!

Claudio Eugenio Luz disse...

Amanhã, sempre o amanhã empurrando nossas pensamentos. Belo poema.

..hábraços

isa xana disse...

«amanha»... o amanha... aquilo que seremos e que ainda não somos, aquilo que queremos, que tememos, que sonhamos.... o amanha somos nós, por mais banal que soe


beijito

Cláudio B. Carlos (CC) disse...

Belo poema!

CC.

leila disse...

O amanhã de uma falta é sempre desajuste, desvio, desconsolo de um caminho conhecido. Beijo,

hfm disse...

Um hino, Douglas, de poesia, de sabedoria e de um certo misticismo pessoal. Muito bom. Obrigada pela visita, é sempre bom encontrá-lo por cá... as vantagens da nossa blogosfera.

Priscila disse...

hum.. isso tudo amanhã... e hoje?

(i'm here)

priscila disse...

Be my guest...
;)