segunda-feira, junho 02, 2008


busco a esperança
sem que ninguém compreenda
a dor que me escava
os temores que me consomem
o silêncio que não me abandona
a demência enfurecida
que costura meus sonhos
ao avesso


busco-a madrugadas afora
entre memórias e escombros
até que sombras recaiam
sobre meus ombros fustigados
lançando-me de volta ao início
margeado pela confusão de quem
regressa carregando um cadáver
dentro de si

9 comentários:

Tina disse...

Oi Douglas!

Forte isso, sentido mesmo eu diria.

E dói...

beijo,

Luciana Marinho disse...

"a demência enfurecida
que costura meus sonhos"

sim.
tocante.


[e essas fotos tão belas
são de sua autoria?]

Cláudio B. Carlos (CC) disse...

Muito bom, meu amigo.

Grande abraço,

*CC*

maria josé quintela disse...

buscar a esperança é já um sinal de caminho que se abre.


obrigada pela visita.

CeciLia disse...

Douglas, há quanto tempo não punha os olhos em teus domínios, hein?

Teus poemas, fortes sempre, fonte sempre de perguntas em mim. Por exemplo: não é a esperança, o cadáver que vai acordar?

Beijo, sigo te lendo

Tina disse...

Oi Douglas!

Passei para te desejar boa semana.

beijos,

scaramouche disse...

gostei.
abraço,
scaramouche.

Leila Lopes disse...

aqui, um terreno fértil de buscas...
bjão

Gi disse...

O cadáver da esperança que se foi?
Mas esse diabinho ressurge de todos os lugares, não? Talvez seja melhor vê-lo como a mariposa que nasce no começo do dia, fica feliz, e morre ao fim da noite, ao invés da tartaruga que chega aos 200 anos.