domingo, março 30, 2008

saberá a tarde que finda, ó pai
no ventre da noite
fazer-se aurora?

10 comentários:

CeciLia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
CeciLia disse...

Não é da natureza das tardes gestar auroras, meu caro. É do fazer destas horas apascentar amantes, escamotear-se na noite, deliberar destinos.

Beijo, querido, fica com Deus

Cecília Borges disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cecília Borges disse...

as luzes são únicas na falta de preocupação. movem-se leves, como se não colorissem diferente nosso dia.
gostei daqui, douglas.
bj

Beto Matos disse...

Muito, mas, muito mesmo.

hfm disse...

belo!

Fernando Rozano disse...

por que não? é no ventre da noite que a vida se transforma...também em aurora, um dos seus destinos. grande abraço.

tb disse...

Saberá poeta, como tu sabes essas lindas imagens com que nos brindas, palavras.
beijo

Tina disse...

Muito bom isso. Gostei mesmo. Parabéns.

beijo,

Francine Esqueda disse...

Tudo aqui é demais!
Parabéns, voltarei muitas vezes!!!
Boa semana!