sábado, junho 30, 2007


nas noites de lua-cheia
nos mistérios d’esse teu voar
tem pena d’eu, rasga-mortalha
livra-me do teu agouro
tranca-me na minha sorte
deixa-me sozinho
na quietude do meu penar.

2 comentários:

Pequena poetiza disse...

naum tem como sair daqui sem alimentar a alma
mt belo o blog



“Procurei o amor, que me mentiu.
Pedi à Vida mais do que ela dava;
Eterna sonhadora edificava
Meu castelo de luz que me caiu!”

(Florbela Espanca)


Bjos da -=Þëqµëñä Þö놡zä=- !!!

delusions disse...

nessas noites cheias de pratas onde nos queremos poder perder... as vezes (vezes demais) só pedíamos para poder ficar.

Boa semana*

sempre irresistivel passar aqui.