sexta-feira, maio 09, 2014


já não existe dor.
repasso minhas certezas
e averiguo cada um de mim
que somos o mesmo homem incolor
vagando à mingua
feito sombra acuada por um resto de sol

3 comentários:

tb disse...

Sempre um belo registo de poesia.
Beijo

augustoldesser disse...

Douglas, veja se este não é você. Não em palavras letras, mas em sua ausência. O som úmido, solitário e ao mesmo tempo dotado de completude. De um abandono mais fundo que as profundezas negras do mar. Veja só. Ou melhor, ouça. https://www.youtube.com/watch?v=iOPRCCyQlz8

Maeles Carla Geisler disse...

que saudades sinto daqui...
quanto tempo.
é sempre um sol que me aquece e me ilumina.
abraço