sexta-feira, janeiro 22, 2010



ao arseniï tarkovskiï


I

(murmúrio)
.
abrigo-me do vazio
sou um velho recontando estórias
aos que não estão mais aqui para escutar
.
II

(prece)
.
livrai-me do medo
dessas noites que me devoram
a quietude da solidão
.
III
.
(repouso)
.
partiram deixando-me a vida
e fiquei sem ter a quem dizer
adeus
.
IV

(girassóis)
.
encontrarei vossos sorrisos
como um louco à tempestade
o céu sob nossas pálpebras abrindo-se, outra vez...
.

3 comentários:

mariana disse...

valeu, é estranho voltar, voltar de tanto silêncio, abrindo um leque de dentes. abs

Í.ta** disse...

o "repouso" ficou explêndido!

ótimo poema.

parabéns.

um abraço.

Alex disse...

não sei se já confessei isso, mas confesso: sempre suspiro ao final dos teus versos. (hum, quase uma rima aí, ou não quase, mas inteira.)