quinta-feira, novembro 19, 2009

fragmento

.
.
a culpa nas mãos dos homens
ei-la aqui, envelhecida
arrastando sua carcaça pela casa
desmemoriando em minhas entranhas
o caminho a ser proscrito

malograda e inoportuna
reconhece meus assombros
e transfigura-me em rancor
ao repetir a si mesma
infortúnios

você dirá que eu mesmo a criei
e a alimento com sobras do que um dia foram sonhos
mas dela eu fujo e busco refúgio
porque todo homem precisa temer
algo ou alguém assim tão límpido

[nela sou o nexo]

dela, minha escuridão
.

2 comentários:

Cláudio B. Carlos (CC) disse...

É...
Muito bom!

blue disse...

obrigada, Douglas D., pela viagem até ao blue moleskin, lá pela outra margem do Atlãntico.
retribuo, agora.