quarta-feira, março 25, 2009

são paulo


o esqueleto dessa cidade
[tão grande, meu deus
....................................... tão grande]
.
é feito de pessoas
que sorriem ao contrário
e remoem terços de mísera fé
sentadas em cadeiras de balanço
frente a janelas fechadas
nascedouros de horizonte algum

8 comentários:

Alex disse...

Hm, já conheci muito que sorriam ao contrário. E ainda devem sorrir assim...

Ei, só pra avisar, voltei pro uol. Sei que a mudança é repentina, mas a última casa foi demolida, então a nova foi restaurada. :)

Um abraço.

Ana M disse...

a cidade sou eu, sempre.
meu horizonte também.

ลndreia disse...

Um conhecerei São Paulo! *

Angela disse...

Imagem fantástica, texto idem. Aqui mora a beleza?

Valéria disse...

os horizontes estão vazios em todas as cidades...
beijo

rubenita disse...

sinceramente as coisas não são fáceis por aqui... 22 milhões de pessoas...

é porque cada um aqui tem as palavras de nossa bandeira cravada em nossa alma e essência: "não sou conduzido, conduzo!"

um abraço. parabéns pelo blog!

rubenita, de SAMPA!

Brainbow disse...

Alameda santos esquina com a leôncio de carvalho???
obrigada, gostei desse seu blog tbm!

Ádlei Duarte de Carvalho disse...

Caramba! Muito bom esse poema!

Sucesso!!