terça-feira, janeiro 13, 2009

à ana/marie/carole

acreditava que era possível
preencher o tempo
de uma pausa

[por isso os olhos gritavam]

desenhava ruídos
por dentro dos ossos
esqueleto feito de dor

[porque assim não sangrava]

repartia o medo
entre os mortos
encarnados em de si

[uma só vida não lhe bastava]

depurava virtudes
manipulando a razão
ao buscar o que nem sabia

[emprenhava-se enquanto vagava]

ontem pude vê-la pela última vez
tinham-lhe os olhos calado
a louca dos pés descalços


5 comentários:

Ricardo Valente disse...

Fenomenal louca dos pés descalços, com certeza preencheu a pausa!

Ana M disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alex disse...

Douglas, que ótimas imagens encontrei aqui. Vomitadas ou não, encarnadas ou não, são deliciosas mesmo. Gostei muito do ruído nos ossos. Seja bem-vindo sempre lá na minha "casa", e eu volto aqui. ;)

Butterfly disse...

Doug,
You know my name, my family and even my pets. What you don't know is that I don't know if I know myself anymore.

mariab disse...

Cá vim conhecer mais um dos teus blogs. E ainda bem! A qualidade é a mesma. beijos