terça-feira, julho 29, 2008


carrega a ti enquanto filho

o ressoar da infância

umbilicada ao tempo que te vê passar

(tem sede tem fome tem medo )


e transmuta o silêncio
dos teus pés molhados de rio
nascente da chuva
que não vem



por acaso sabes quem és

ou somente centelhas

sonhares?

4 comentários:

Adriana Costa disse...

Aqui temos que mergulhar nas imagens vomitadas. Após o mergulho fica a umidade do encantamento sobre a pele.

Beijos @>--

[jb] disse...

muito bom, companheiro
realmente muito bom. me deixou assim, meio que tentando achar o fim do mar no horizonte...

Especialmente esta parte:
"e transmuta o silêncio
dos teus pés molhados de rio
nascente da chuva
que não vem"

Rico e profético.

grande abraço

[jb]

Maria disse...

Que lindo Douglas !!!!!!!
e ainda essa "o ressoar da infância umbilicada ao tempo que te vê passar..."

marcia cardeal disse...

Minha peregrinação dominical sempre me traz a você. Manhã cedo de orvalho e frio. Sua pergunta me faz pensar...não sei quem sou quando venho aqui. beijo e saudades,