segunda-feira, janeiro 07, 2008


um sonho
- poema

entre ruínas
vago

respira sob as pálpebras
do inverno
deserdado pelo silêncio


dos que aqui estamos

filhos teus


guardiões do sol


3 comentários:

marcia cardeal disse...

ainda bem que o sonho-poema respira...é o que nos salva!
beijos

Nana Lopes disse...

Vim saber do que se alimentava para vomitar seus poemas. Vi. Refeições substanciosas.Bjkas

Valéria disse...

vc... e este poema... estão lá!!!
um beijo