segunda-feira, agosto 21, 2006


você olha por dentro dos meus ouvidos
dos meus olhos e da minha boca
pressiona a minha cabeça
com dedos frios e meticulosos
procurando por culpa e pecado
querendo espremer a minha alma
dissecar-me os sonhos
punir-me os sorrisos
como se eu fosse igual a ti
como se em algum momento
eu tivesse sido algo além
desse espantalho isento de dor
mísero fazedor de palavras
compreendidas em lugar nenhum

não!
basta!
silencie!
desapareça!

tire seus dedos de dentro da minha cabeça
os meus olhos,
deixe-os verdejarem no jardim
junto aos sonhos e sorrisos
livrai enfim
a minha alma
das suas sentenças mentirosas

(o seu julgamento hipócrita e covarde
escarra-os diante do espelho)

porque eu não sou feito de medo e desamor
porque eu não sou feito dessa verdade nojenta
a entupir suas artérias e empanturrar seu estômago
fazendo de você um pedaço de vida ensinado
para esquecer por todo o sempre
debaixo do céu existirem girassóis
e que as cirandas e as cantigas de ninar
sobreviveram sim aos agouros
desse deus por você um dia manchado
ao acreditares que isso era ter fé

5 comentários:

Tempestade disse...

Fugaz, te espio. Ainda tenho o mesmo vício, a mesma fraqueza: cabeça de hidra sufocada e renascida, cadela no cio, exigente e voraz. Acima da névoa amarga, espremida em obsceno repasto, vazia de todas as formas, oca de qualquer paixão, expio, como vulcão invertido que, escondido nas cinzas, carrega o furor de viver. Corpo fundido em agonia, sou anjo obscuro da noite: relâmpagos me penetram, dominam, controlam enquanto danço ao zunido de mil chicotadas até adormecer.

CeciLia disse...

Um poema forte, como fortes são as maldições, as pragas, os agouros. Gosto de vir aqui. Lâminas afiadas, tuas palavras rasgam o marasmo de mim.

Abraço,

claudia disse...

Rapaz.. que porrada! Que maravilha despertar ira tão violentamente linda. Mulher suporta tudo. Menos a indiferença...

Rita Contreiras disse...

Que belo limite poético! É extremamente necessário o cuidado com as nossas fronteiras,com o que nos é essencial. maravilhoso!

tb disse...

Meu querido douglas hoje te trago um favo de mel para adocicar teus lamentos e um ombro para encostar tua cabeça...