domingo, agosto 27, 2006


deus
eu sou o silêncio
que lhe falta
as mãos serenas
que lhe acolhem
a margem do rio
que lhe revela

o amor
a ternura
a felicidade
a fé

que lhe derrota
quando a morte
vem nos assombrar

6 comentários:

Marilena disse...

Douglas, vim conhecer seu blog e estou encantada com o que encontrei aqui. Menino, vc escreve bem demais. É sensível, delicada e ao mesmo tempo forte sua poesia. Ela grita de um jeito macio macio ... Vou tentar ler tudo, mesmo que eu leia de pouco em pouco.

Ivã Coelho disse...

Mais que encantamento. Foi nas palavras que aqui encontrei que me refiz nesta tarde chata e gris. Apreciei e aprofundarei.

Cada elo um novo horizonte perto-distante.

Obrigado pela visita. Voltemos sempre ao que nos agrada.

saudações, venerandas, e abçs.

claudia disse...

Douglas... vc descreveu exatamente o que uma mulher espera do seu homem... lindo, lindo/

Cristiano Contreiras disse...

Diante desta prece, apenas contemplo seus sentires plenos.

tb disse...

Dougals, meu amigo cada palavra tua é um grito...
jinhos

diovvani disse...

Linhas que dão voz, há alguma coisa; que era silêncio em nós. Belo, muito belo! MontanhosoAbraçoDasMinasgerais.