domingo, fevereiro 12, 2006



CANÇÃO EM TRÊS LAMENTOS

LAMENTO PRIMEIRO
- AQUILO QUE VEM COM AS MANHÃS -

Um grito engolido
pausadamente
faz da tua carne
escritura-sepulcro
[anúncio das manhãs trajadas de cinzas]

Abertas dentro dos olhos
há janelas sem alma
sem vista e
sem ar
[lampejo de insone azul-deserto]

Aos ossos coube
o peso de seguir vivo
na feitura
do homem-rascunho.
[escapa à alma a ternura diminuta do roxo-poente]

Aos músculos coube
sustentar a lucidez
no limiar
do homem-farrapo
[fica na alma a quietude incômoda do branco-abandono]


*


LAMENTO SEGUNDO
- AQUILO QUE PARTE COM A CHUVA -

Um sorriso sedimentado e
um punhado
de moedas
são-te fronteiriças
[o humor do teu deus é raquítico,
recusa a fartura do riso e da dor]

A esperança mastigou teus medos e
na tua face
escarrou
anjos desbotados.

A esperança maquina felicidade e
secreta
imaculados
fluidos pegajosos.


*

LAMENTO TERCEIRO
- AQUILO QUE NOS PERPETUA -

Espantalho,
ainda ontem
te vi sentado sobre a grama
enquanto chuviscava
- teus dedos em vão tentavam te devolver às auroras -

Mas murcharam os girassóis e
já não há mais música
embalando o eu-menino
preso ao tempo
que não te leva embora
deste carrossel,
entristecido
a
girar.

Espantalho,
já é noite lá fora
escuta os bichos da mata
e os abraços do rio
que nina o sonho ribeirinho
[é hora de adormecer e recobrar os teus cânticos e a tua fé]

Espantalho,
descansa teus girassóis
tuas cantigas e teus ruídos
pois o frio-poesia saberá te despertar
quando a dor tiver passado e
a angústia alcançado
as trilhas do fim.

16 comentários:

Anônimo disse...

lembranças são verdades mortas, mumificadas. (as minhas têm sempre a cor de um dia nublado). um dia de sol tem sombras, você vê?

Celso disse...

só que a dor nunca passa, meu amigo, nunca. E fica cada vez maior.

No cárcere um poema dedicado a ti, à inspiração que vem dos teus textos.

Um abraço

Anônimo disse...

Espantalho, já é hora de despertar. Você é um espantalho triste por que? por que nao consegue espantar as pessoas de você? ou por que nao consegue espantar os sentimentos que há dentro de você? Os girassois nao precisam de ti.

Pseuda Bia

gabi disse...

muito, muito bom! beijo.

lazuli disse...

não sei que dizer, apenas que gostei. Beijo.

Dona Estultícia disse...

lamento em três pedradas...bjos.

Claudio Eugenio Luz disse...

Três pesados lamentos-como bem disse d.estulticia- pedradas!!
.
hábraços
.
claudio

teresa disse...

Sim, as dores são património da nossa vida, ams existe sempre um amanhã.....
Está divino, Douglas, como sempre!
Abraços

TMara disse...

não digo:absorvo. Vou, erso averso, lentamente como quem sobe uma escadaria e analisa aconstrução desta e do corpo k a sobe. e depois desço, ainda mais lemtamente tenando encontrar os passos inversos.Li por aí acima k a dor não paassaantes uamneta. Não acrec«dites. Se quisermos k passe, passa, Adormece. Às vezes acorda e...acorda-nos.Tmb serve p/ isso.
boa semana. Bjs e ;)

Rubens da Cunha disse...

adoro poemas em série.
estes lamentos estão magnificos.
abraços
rubens

Valéria disse...

quando a gente se sente atingido...fica assim quieto...lê novamente...contempla...pensa...
deixa um beijo
e vai embora pensando

C.S.A. disse...

Junto-me ao coro:
muito bom mesmo!
Abraços

hfm disse...

Muito belo!

TMara disse...

vou, volto e leio. smp a1º vez. smp uma magia nas palavras k nos trazem a emoção, o sentimento....Memórias da pedra
Bjs de luz e paz e bom f.s cheio de :)

TMara disse...

Douglas, "roubei-te" o poema e vou postá-lo, domingo, no http://estanhosdias.blogspot.com/
Bjocas

Edilson Pantoja disse...

Das diversas imagens que tuas entranhas babaram ao vomitar, a do espantalho é, sem desmerecer as demais, algo formidável.